domingo, 1 de julho de 2012

Helen Fisher estuda o cérebro amando

Então, antes que eu comece a falar sobre o cérebro, Eu quero ler para vocês o poema de amor que eu acho ser o mais poderoso na Terra. É claro que há muitos outros poemas tão bons como esse, mas acho que esse é insuperável. Foi contado por uma índia Kwakult do sudeste do Alaska a um missionário em 1896, aqui vai. Nunca tive a oportunidade de recitá-lo antes. "Fogo corre através de meu corpo com a dor de te amar, dor corre através de meu corpo com o fogo de meu amor por você. Dói como um furúnculo prestes a explodir com meu amor por você, consumido por fogo com meu amor por você, Eu lembro o que você disse para mim. Estou pensando sobre seu amor por mim, Sou mutilada por seu amor por mim. Dor e mais dor, Onde você vai com meu amor? Me disseram que você vai embora. Me disseram vai me deixar aqui. Meu corpo está anestesiado de pesares. Lembre o que eu disse, meu amor. Adeus, meu amor, adeus. Emily Dickson uma vez escreveu, "Separação é tudo que precisamos conhecer do inferno." Quantas pessoa já sofreram em todos os milhões de anos de evolução humana? Quantas pessoas em volta do mundo estão dançando euforicamente nesse instante? Amor romântico é uma das sensações mais poderosas na Terra.
Então, alguns anos atrás, eu decidi estudar o cérebro e estudar sua loucura. Nosso primeiro estudo sobre pessoas que amavam felizes foi muito divulgado, por isso vou falar muito pouco sobre isso. Encontramos atividade em uma pequena área perto da base do cérebro chamada de área tegmental ventral. Encontramos atividade em algumas células chamadas de ApEn. Células que na verdade produzem dopamina, um estimulante natural,e espalha dopamina para muitas regiões do cérebro. esta parte, a ATV, é parte do sistema de recompensa do cérebro. Está bem abaixo de nosso processo cognitivo de pensamento.Está abaixo de nossas emoções. É a parte que chamamos de centro reptiliano do cérebro,associada com querer, motivação, Com foco e com desejo. De fato, a mesma região do cérebro onde encontramos atividade também torna-se ativa quando sente o barato da cocaína.
Então, agora mesmo, Lucy Brown e eu, o neurocientista em nosso projeto estamos analizando os dados das pessoas que foram colocadas na máquina depois de terem tomado um fora. Na verdade foi difícil, por essas pessoas na máquina, porque elas estavam pessímas. (risos) De qualquer forma, encontramos atividade em três regiões do cérebro.Encontramos atividade na região do cérebro, exatamente na mesma região do cérebroassociada com amor romântico intenso. Péssimo negócio. Você sabe, quando você leva um fora, a coisa que tem de fazer é simplesmente esquecer sobre esse ser humano, e continuar com sua vida, mas não, você simplesmente o ama ainda mais. Como o poeta romano Terence disse uma vez, "Quanto menor minha esperança, mais quente o meu amor." E de fato, agora sabemos por que. 2.000 anos mais tarde, podemos explicar isso no cérebro. Aquele sistema no cérebro, o sistema de recompensas por querer, por motivação, por desejo, por foco, torna-se mais ativo quando você não pode ter o que quer. Neste caso, o grande prêmio da vida: um parceiro reprodutor adequado.
Então, o que aprendi desse experimento que eu gostaria de contar ao mundo?Primeiramente, eu cheguei a conclusão que amor rômantico é o impulso, a chave da procriação. Não o impulso do sexo, o desejo do sexo te leva a busca por uma gama diferente de parceiros. Amor rômantico te possibilita focar sua energia procriadora em somente um por vez, conserva sua energia procriadora. e inicia o processo de procriação com um único indivíduo. Acho que de toda a poesia que li sobre amor rômantico, a que resume melhor isso foi algo dito por Platão há mais de 2.000 anos atrás. Ele disse, "O Deus do amor vive em estado de carência. É uma necessidade. É uma urgência. É um desequilíbrio homeostático. Como fome e sede, é quase impossível eliminar." Também cheguei a conclusão que amor romântico é um vício: um vício perfeitamente maravilhoso quando está indo bem, e um vício horrível quando está indo mal.
E é claro, tem todas as características de um vício. Você foca somente na pessoa, você pensa obsessivamente nela Você a deseja, você distorce a realidade, O seu desejo em se arriscar enormemente para conquistar essa pessoa. E tem as mesmas características de um vício. Tolerância -- você precisa vê-las cada vez mais, e mais e mais -- abstinência, e por último, recaída. Tenho uma amiga que estava superando um terrível caso amoroso, Já tinha passado oito meses, e ela estava bem. E ela estava dirigindo outro dia, quando de repente ela ouviu uma canção no rádio que a fez lembrar desse homem. E ela -- além do desejo por ele voltar instantâneamente, teve de encostar o carro e começou a chorar parada na estrada. Então, eu queria um coisa da comunidade médica, e da comunidade dos advogados, e até mesmo dos universitários, para ver se eles podem entender, que na verdade, amor romântico é uma das substâncias mais viciosas da Terra.
Gostaria também de dizer ao mundo que animais amam. Não há um animal nesse planetaque irá copular com qualquer coisa que aparecer Velho demais, jovem demais, muito enrrugado, muito burro, eles não copulam. A menos que se estiverem presos em uma jaula de laboratório. e você sabe, se passar toda sua vida em uma caixinha, não será tão exigente com quem terá sexo -- mas procurei em uma centena de espécies. e em todo lugar na natureza, animais têm favoritos. Diga-se de passagem antropologistas sabem disso. Há mais de oito palavras para o que eles chamam de favoritismo animal:perceptividade seletiva, escolha do parceiro, escolha da fêmea, escolha sexual. E claro, há três artigos acadêmicos nos quais eles pesquisaram essa atração, que pode durar somente um segundo, mas sem dúvida é uma atração, e ou a mesma região do cérebro, o sistema de recompensa, está envolvida ou as químicas do sistema de recompensa. De fato, eu acho que a atração animal pode ser instantânea -- você pode ver um elefante se atrair instantaneamente por outra elefanta. E acho que isso é realmente a origem do que chamamos de "amor a primeira vista."
As pessoas sempre me perguntam se o que eu sei sobre amor me atrapalha a amar. E eu só falo, que nada. Você pode conhecer cada ingrediente em um pedaço de bolo de chocolate, e quando se senta e come aquele bolo, você ainda vai adorar. E certamente também faço os mesmos erros que todos fazem, mas isso aprofundou realmente meu entendimento e compaixão, mesmo, pela vida humana. diga-se de passagem, em Nova York eu me pego sempre olhando para carrinhos de bebês e sentindo pena deles, e de fato algumas vezes eu sinto um pouco de pena pelo frango em meu prato, quando penso o quão intenso é esse sistema cerebral. Nosso mais novo experimento saiu do ovo através de meu colega Art Aron, colocar na ressonância magnética pessoas que afirmam ainda estarem amando em um relacionamento longo. Já colocamos cinco pessoas até agora, e é claro, encontramos exatamente a mesma coisa. Eles não estão mentindo. As áreas do cérebroassociadas com o amor romântico intenso ainda está ativo, 25 anos depois.
Ainda há muitas perguntas a serem respondidas e perguntadas sobre amor romântico. A pergunta que estou trabalhando nesse minuto, e eu só vou falar por um segundo e depois terminar, é por que você ama uma pessoas, e não outra? Eu nunca teria nem pensado em pensar nisso, mas Match.com, o site de encontros, veio 3 anos atrás e me fez essa pergunta. E eu disse, não sei. Eu sei o que acontece no cérebro quando você ama, mas não sei porque você ama uma pessoa e não a outra. E então, passei os últimos 3 anos nisso. E há muitas razões para você amar uma pessoa mais que outra, isso os psicólogos podem te dizer. E tendemos a amar alguém do mesmo nível sócio-econômico, o mesmo nível de inteligência, o mesmo nível de aparência, os mesmos valores religiosos. A infância tem um grande papel, mas ninguém sabe como. E isso é tudo, é tudo que eles sabem.Não, eles nunca descobriram como que duas personalidades se encaixam para fazer um bom relacionamento.
Então, me ocorreu que talvez nossa biologia nos puxasse para uma pessoa ao invés de outra. E fiz um questionário para ver em que grau você apresenta dopamina, serotonina, estrogênio e testosterona. Acho que desenvolvemos quatro tipos amplos de personalidadesassociadas com a mistura dessas quatro químicas no cérebro. E nesse site de namoro que criei, chamado Chemestry.com. Primeiro faço uma série de perguntas para ver qual o nível dessa quimíca você apresenta, e estou observando quem escolhe quem para amar. E 3,7 milhões de pessoas fizeram esse teste na América. por volta de 600 mil pessoas fizeram em outros 33 países. Estou organiznado os dados agora, em algum ponto -- sempre haverá mágica no amor, mas acho que chegarei mais perto de entender porque será que quando você entra em uma sala e todos têm o mesmo nível seu, o seu mesmo nível de inteligência,o seu mesmo nível de aparência, e você não se sente atraído por todas elas. Acho que existe biologia nisso. Acho que em alguns anos chegaremos a compreender muitos tipos de mecanismos que o cérebro usa para nos aproximar de umas pessoas e afastar de outras.
Então, irei encerrar assim. Essas são minhas pessoas mais velhas. Faulkner disse uma vez, "O passado não está morto, não está nem no passado." É claro, nós carregamos muita bagagem de nossos anos passado em nosso cérebro humano. E há uma coisa que me faz perseguir minha compreensão da natureza humana, e isso me faz lembrar isso.Essas são duas mulheres. Mulheres ficam íntimas de uma forma diferente dos homens.Mulheres ficam íntimas conversando cara-a-cara. Nós nos conectamos uma com a outra,fazemos o que chamamos de "olhar âncora" e conversamos. Isso é intimidade para mulheres. Acho que evoluiu de milhões de anos segurando bebês na frente de nossos rostos, adulando, repremindo, educando-os com palavras. Homens ficam íntimos lado a lado. ( risos) Assim que um cara encara o outro vira o rosto. ( risos) Acho que é resultado de milhões de anos de se esconder atrás de um arbusto, e ficar olhando para frente, e tentar acertar uma pedra na cabeça de um búfalo. (risos) Acho que por milhões de anos os homens encararam seus inimigos, eles sentavam lado a lado com amigos. Então minha palavra final é: o amor está em nós. Está profundamente arraigado em nossos cérebros.Nosso desafio é entender um ao outro. Muito obrigada. ( aplausos)

Postar um comentário