quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Elétrons da (R) existência - Trecho

@Lecy Sousa


Então, antes de bancar o biógrafo de pessoas altamente irrelevantes para a sociedade – o biografado me autorizou a dizer o que quisesse dentro da biografia dele, portanto não há nenhum risco de processo posterior – eu ficava imaginando ser um Charles Bukowski da vida. 


Eu queria viver descendo o cacete numa máquina de escrever, tarde da noite, ouvindo jazz de trompete e tomando suco de graviola gelado com vodka. Quanto mais eu descesse o cacete, mais a máquina pediria mais, mais, mais, mais, até ela sentir uma espécie de orgasmo vocabular ou sei lá o que as máquinas tendem a sentir nessas horas em que os autores praticamente “chegam lá”.


A frustração veio com o primeiro emprego numa loja de langerie. Sim, eu trabalhei numa loja de langerie (no popular, calcinha, soutien, baby doll, essas coisas). Fazia o serviço de escritório. Antes que você comece a pensar qualquer coisa menos formal, não, eu não me envolvi com a dona da loja. Ela era lésbica alfa. Entendia tudo do universo feminino. Uma empresária metacompetente, diga-se de passagem.


Segui pensando que poderia ser um Truman Capote, mas como fazer isso sem experimentar todo aquele jet-set estadunidense, aquele glamour todo, aqueles cãezinhos Shar-pei cute-cute, aquele verniz vintage que faz a gente pensar que a vida é um filme em cinemascope e ao final – tipo THE END – surge uma dezena de moças pernaltas jogando suas coxas para a esquerda, para a direita, para cima, para baixo, para o meio e terminam fazendo uma abertura chocante, prontas para o Oscar.


Não rolou. Fiquei na fissura. Decidi rabiscar quaisquer coisas. Nem competência para criar um cortiço copiado do Aluísio Azevedo eu tinha. O jeito seria deixar o tempo passar para ver se eu criava uma espécie de cor local, um pano de fundo, sei lá. Um start que me levasse ao Olimpo das letras. Isso viria se eu descobrisse alguém com uma vida eletrizante (e não tivesse nenhum medo da própria biografia – o que mais existe é gente chata pra burro censurando a própria vida, ainda que queiram ser biografados). Talvez um romance psicocibernético com mapinha de um reino perdido e tudo caísse em minha cabeça. Mas qual o quê?



domingo, 16 de fevereiro de 2020

Strange Talk - Roxanne






quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Lecyfalante - Publicações em 2019 & outros






segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Previsões do Guru Fui Sou Sehei

                                                          
                                                                                                                           © Lecy Sousa

- Honorável Fui Sou, saiba que é uma honra "receber" você nesse meu canal com centenas de milhões de seguidores. Todos estão ansiosos para ouvir suas preciosas previsões.

O Honorável Fui Sou abre lentamente os olhos e diz:

- Entendo. Vislumbro muitos Bitcoins* entrando em sua conta nas próximas horas.

A produção solta um áudio com pessoas exclamando: "OOOH!"

- Isso é impressionante, Honorável. Mas a audiência quer saber mais.

Fui Sou solta um grande suspiro e completa:

- Quero aproveitar esse canal para fazer um desabafo. Por que os infelizes desses inscritos não vão viver suas próprias vidas? Todos os anos, a mesma droga! Vão viver e construir suas profecias, bando de ordinários!

- Honorável, desculpe-me. Assim Vossa Elevação ofende nossos inscritos.

A produção informa ao apresentador que cem mil inscritos abandonaram o canal na hora e outros três mandaram mensagens dizendo que cometeriam suicídio... Fui Sou também recebeu a informação pelo fone de ouvido.

- Mas, por outro lado - continuou o Guru - hoje passarei uma receita infalível para que todos os inscritos desse canal possam conseguir instantaneamente a cobertura com a qual tanto sonharam, mas os Iluminnatis impediram que conseguissem. Eu disse INSTANTANEAMENTE.

Em um minuto, o apresentador foi informado pela produção que seiscentas mil novas pessoas se inscreveram no canal.

- Isso é, realmente, impressionante Guru Fui Sou Sehei. Estou empolgado. Muitas pessoas estão preocupadas com o fim do mundo. São muitas desgraças ao mesmo tempo. Como impedir terremotos, furacões, caminhões desgovernados, o Vesúvio em chamas, o piti de Trump e do Kim Jon Gel ?

- Farei um novo desabafo... - começou Fui Sou

O apresentador sentiu um frio na espinha.

- F****-se -  disse o Guru suavemente.

O silêncio reinou no estúdio como por uma eternidade. Duzentos mil inscritos saíram do canal no mesmo instante. Muitas mensagens como "Filho da p...", "anticristo" e "Vai se ferrar" surgiram no papo online.

- Eu disse: "Fodam-se", no sentido figurado. Façam amor, vão pra cama, relaxem, soltem-se, não se preocupem. Isso ainda não é o fim. Ainda hoje, eu darei a dica para vocês irem pra cama com quem vocês quiserem. Nenhum Guru além de mim domina essa técnica. COM QUEM VOCÊS QUISEREM!

- Calma, Fui Sou. Eu ouvi direito? Quer dizer que se eu quiser... com aquela famosa atriz?

- Eu não minto.

Um milhão de novos subscribers surgiram em minutos.

(No próximo episódio, quer dizer, texto, algumas previsões paralisantes do impressionante Guru Fui Sou Sehei. Não saiam daí)

--------------------------------
* Para muitos o Bitcoin é a moeda do capeta, para outros, a moeda dos Iluminattis (seguidores do coisa ruim), enquanto nos confins da  floresta amazônica tribos isoladas de índios nunca saberão o que é ter dinheiro.