domingo, 30 de dezembro de 2012

Réquiem para Maria Clara Segóbia


"Conheci Maria Clara Segóbia em  2005, no Congresso Brasileiro de Poesia, em Bento Gonçalves/RS. De cara, ficamos amigos e em 2006 ela apareceu no 2º Belô Poético – Encontro Nacional de Poesia de Belo Horizonte, realizado por mim e por Virgilene Araújo. A partir daí, ela era figura constante todos os anos no Belô Poético.Tivemos tantas histórias juntos por aqui, que nem sei... Tenho orgulho de tê-la homenageado ainda em vida, no 5º Belô Poético, em 2009 e olha que nem eu, nem ninguém e nem mesmo ela sabíamos de sua doença.  Este ano ela não deu as caras por aqui e sentimos muita falta de sua alegria espontânea. Agora me chega essa triste notícia: Deus, precisando e muito dos poetas lá em cima, levou Maria Clara Segóbia ontem, dia 29 de dezembro para encantar um pouco o céu, com a sua poesia.

Eu poderia ficar horas escrevendo um puta texto, lindo por ter sido reescrito duzentas vezes para ficar bem legal, mas prefiro apenas ser honesto comigo mesmo, abrir meu coração e dizer: - Poxa, cara, tou triste, muito triste mesmo. E tudo que estou sentindo pode ser refletido no poema que transcrevo abaixo."


Concerto para lá maior
(entre as nuvens)

Meus amigos estão todos indo embora
e eu, por enquanto
vou ficando por aqui
com aquela sensação de vazio
preenchendo-me os poros
as artérias, a alma, os versos.
Revejo catedrais que outrora
pensei um dia, edificar
entanto, o tempo escorre pelas mãos
entra pelos ralos
sem que ao menos, possa segurá-lo.
Alguns recitam versos lá
outros cantam entre nuvens
e cá, ficamos nós, desatando nós
nessa insegurança tão imperfeita.
Meus amigos estão todos indo embora
embora seja verdade, devo aceitar
aguardando que um dia
numa viagem menor
eu possa ver estrelas, constelações
e desvendar enfim, os mistérios dessa vida.

Rogério Salgado
______________________________________________
(Eu não tive a oportunidade de estabelecer uma amizade mais aproximada com a Maria Segóbia, mas me encantaram a sua energia e a alegria espontâneas no Belô Poético. Reproduzo acima o texto e o poema do Rogério Salgado) - Lecy Pereira.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Espelho d´água

Num primeiro momento, a acuidade do pensamento não nos "protege" da nossa realidade intríseca - entenda-se por realidade o que nos sucede em estado bruto, o que escapa à nossa percepção. Porém, a partir do momento em que aprendemos a lidar com uma nova forma de pensamento vamos adquirindo uma capacidade de relacionamento menos tenso com o imponderável.Entenda-se por imponderável aquilo que não está previsto em nossa forma de viver. 

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A lenda do intervalo

domingo, 28 de outubro de 2012

história íntima da leitura


história íntima da leitura é um feliz rebento da Editora Vagamundo composto por um time leitores apaixonados como a sempre amiga de murmúrios literários Marisa Tostes Daniel, cuja dedicatória reproduzo aqui.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

La Fonoteca Eduardo Mata invita a la Introducción a la ópera OTELO de G. VERDI






LA FONOTECA EDUARDO MATA DEL INSTITUTO DE ARTES GRÁFICAS DE OAXACA


los INVITA a su

Introducción a la ópera


OTELO
de
GIUSEPPE VERDI

que se transmitirá el día 27 de octubre en el teatro Macedonio Alcalá
desde el Metropolitan Opera House de Nueva York

Comentarista

César Mayoral Figueroa



Lugar  FONOTECA EDUARDO MATA | Av. Juárez 203, Centro

Fecha  |   Jueves 25 de octubre de 2012

Hora  |  19:00 hrs.



ESCUCHA UN FRAGMENTO DE LA ÓPERA


http://www.youtube.com/watch?v=fv6K-z0n1fo



SINOPSIS: es una ópera en cuatro actos con música de Giuseppe Verdi y libreto en italiano de Arrigo Boito, a partir de la obra de Shakespeare, Otelo. Fue la penúltima ópera de Verdi, y se estrenó en el Teatro alla Scalla de Milán, el 5 de febrero de 1887.

En una noche tormentosa, el pueblo de Chipre espera ansioso la llegada del nuevo gobernador, Otelo, de la batalla con los turcos. Otelo llega sano y salvo y anuncia que la flota turca ha sido destruida.

El alférez de Otello, Yago, se ofrece a ayudar a Rodegiro a seducir a la esposa de Otelo, Desdémona, porque quiere vengarse del moro que nombra a Cassi como capitán de la armada en lugar de a Yago. Durante una riña en la taberna Yago se las arregla para emborrachar a Cassio y provocar una pelea, por lo que Otelo degrada a Cassio de su puesto. 

A solas Otelo y Desdémona recuerdan por qué se enamoraron y vuelven al castillo después de besarse.

Yago sugiere a Cassio que pida a Desdémona hablar a Otelo sobre su degradación, porque Desdémona puede influir en su marido para devolverle el puesto Cassio se acerca a Desdémona y Otelo los observa, momento que Yago aprovecha para sugerirle a Otelo que su esposa y Cassio mantienen un affair. Otelo no hace caso y prefiere esperar pruebas. Desdémona cumple la petición de Cassio  y le pide a Otelo que le devuelva su cargo. Esa es la prueba que Otelo esperaba y se siente celoso y furioso. Por su parte Yago roba el pañuelo que Otelo regala a Desdémona en el pasado y lo guarda como prueba de la infidelidad de Desdémona. Yago cuenta que cuando él y Cassio dormían en a misma habitación, oyó a Cassio hablar en sueños a Desdémona y pedirle que tuvieran cuidado y escondieran su amor. Yago le dice que los sueños no prueban nada pero que ha visto a Cassio llevar el pañuelo que Otelo regalase a Desdémona. Yago y Otelo juran vengarse de Desdémona y Cassio. 

En una conversación, Yago le pide a Cassio que cuente su romance con Bianca, la verdadera amante de Cassio, éste se ríe de sus aventuras amorosas y Otelo, que escuchaba escondido, no logra escuchar el nombre de la mujer y cree que habla de Desdémona. 

Una noche, Otelo entra en silencio empuñando una espada a la habitación de Desdémona, quien yace durmiendo en su cama, la besa y ella despierta. Otelo le pregunta si ha rezado porque no quiere matar a su alma. Otelo la acusa de pecar diciendo que la tiene que matar porque ama a Cassio. Ella lo niega y pide que manden llamar a Cassio, pero Otelo le responde que está muerto. Desdémona pide piedad pero Otelo le dice que es demasiado tarde y la estrangula.

Emilia, dama de Desdémona, llama a la puerta, anunciando que Cassio ha matado a Roderigo, quien fue enviado por Yago para matarle. Desdémona suavemente dice que ha sido acusada injustamente, y luego muere. Emilia llama asesino a Otelo; él responde que Yago le dio pruebas de la infidelidad de Desdémona y la amenaza. Ella pide ayuda y llega Cassio, Yago y Ludovico. Emilia exige a Yago que retire la acusación, él se niega. Otelo dice que el pañuelo que Desdémona regaló a Cassio es prueba suficiente de su infidelidad. Emilia, horrorizada, explica que Yago le robó el pañuelo y Cassio explica que Yago se lo dio diciendo que era de parte de una amante secreta. 
Yago, blandiendo su espada, se escapa corriendo. Al darse cuenta de lo ocurrido, Otelo se lamenta de la muerte de Desdémona. Extrae una daga de su ropa y se apuñala. Otros intentan detenerlo, pero es demasiado tarde. Antes de morir, se arrastra cerca de su esposa y la besa.



Presentación del libro TEORÍA DE LAS CATÁSTROFES | Tryno Maldonado


El Instituto de Artes Gráficas de Oaxaca, tiene el honor de invitarlos a la presentación de la novela:

 
"Teoría de las catástrofes"
del autor Tryno Maldonado

«El origen de toda existencia es, por efecto, el inicio de
 la implantación de un sistema de caos.»



Lectura & noise-metal "Scarlett Johansson"




 
Ésta es una historia sobre la impunidad de la guerra, sobre la absolución equivocada de la justicia. Sobre seres perseguidos por sus ideales. Teoría de las catástrofes es una novela sobre el amor. Las batallas perdidas del amor. "Es también la historia de la catástrofe de un pueblo".


Entrada libre

Sábado 27 de octubre de 2012 | 19:00 horas
Instituto de Artes Gráficas de Oaxaca
Macedonio Alcalá 507. Oaxaca, Centro


 
Tryno Maldonado (Zacatecas, México, 1977) es autor del libro de relatos Temas y variaciones (2002; considerado uno de los mejores libros del año por el diario Reforma), de las novelas Viena roja (2005) y Temporada de caza para el león negro (2009; entre las finalistas del XXVI Premio Herralde de Novela). Coordinó y editó Grandes hits, vol. 1, Nueva generación de narradores mexicanos (2008). Ha escrito para las publicaciones más importantes de México y parte de su obra está incluida en antologías nacionales e internacionales. Vive desde hace años en la ciudad de Oaxaca.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Pão e Poesia na Revista Minas em Cena

Pão e Poesia na Escola é uma Boa Prática para Governo de Minas


terça-feira, 9 de outubro de 2012

10 anos da Borrachalioteca

Programação

“Encontro com os escritores”  – Coletivo 21
19 de outubro de 2012 – Horário: 20:00 Local: Teatro Municipal de Sabará
Na sexta-feira, dia 19 de outubro, convidamos os escritores do Coletivo 21 para um “Encontro com os Escritores – Especial”. Estão confirmados os escritores: Branca Maria de Paula, Caio Junqueira Maciel, Jorge Fernando dos Santos, Neusa Sorrenti e Ronaldo Guimarães. Na ocasião teremos apresentação dos Arautos da Poesia e a exibição do vídeo institucional.

Entrega das Embalagens do “Pão e Poesia – Especial”
20 de outubro de 2012 – Horário: 9:00 Saída na sede da Borrachalioteca
No sábado, dia 20, iremos percorrer diversas padarias para a entrega das embalagens do “Pão e Poesia” que dessa vez possui poemas sobre a iniciativa. Embalagens que contam também com desenho de Son Salvador e xilogravura de Erivaldo Ferreira. Haverá também declamação de poesia, tambores e distribuição de livros. 

Encontro Intermunicipal de Contadores de História
21 e outubro de 2012 – Horário: 9:30 Casa das Artes – Rua Marieta Machado, 164 Centro
Domingo, dia 21, para fechar a programação teremos o “Encontro Intermunicipal de Contadores de História”. São histórias de várias partes do mundo e com contadores de vários estilos.




--
Marcos Túlio Damascena
Idealizador da Borrachalioteca de Sabará
31 8825-2391 - 3674-4170   
                                                                                   Foto

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O Colecionador

9o CONCURSO ROGÉRIO SALGADO DE POESIA 37 ANOS DE CARREIRA POÉTICA

Promoção: Virgilene Araújo – Promotora Cultural

Poderão participar poetas de todos os estados do país, inscrevendo até três poemas, que deverão estar digitados ou datilografados, de no máximo 30 linhas, incluindo espaços de uma linha para outra, e enviados em 03 vias cada um. Os poemas não poderão ter identificação de sua autoria, sendo que no rodapé da página deverá constar apenas o pseudônimo do autor. Anexar à parte, envelope lacrado contendo em seu interior o nome, endereço e e-mail para contato (se tiver). Por fora do envelope, constar o(s) título(s) do(s) poema(s) e pseudônimo do autor. No ato da inscrição será cobrada uma taxa de R$ 7,00 (sete reais) para despesas de manutenção do concurso, enviada em forma de cheque nominal a Virgilene Ferreira de Araújo. Caso ache mais prático enviar o valor em espécie e caso solicite, poderá ser enviado recibo para o poeta inscrito, desde que nos seja remetido junto, um selo de 1º porte para envio do recibo. As inscrições deverão ser enviadas para a Caixa Postal 836 – Belo Horizonte/MG – Cep: 30.161-970, até o dia 30 de novembro de 2012, fazendo valer a data da postagem. Serão selecionados por um júri composto de dois poetas, convidados pela organização do concurso, além do poeta homenageado, três primeiros lugares, que receberão, além de certificados, um pacote literário composto de livros e Cds, como incentivo a uma maior incidência de leitura. Caso os jurados achem necessário, serão conferidas menções honrosas. 

 Mais informações pelo telefone: (31) 8421.6827. Obs: as inscrições enviadas que não obedecerem o regulamento, serão automaticamente desclassificadas.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Beijo e Balas

Beijo e Balas
                          Lecy Pereira

No Jukebox do bar do quarteirão mais próximo tocava “Hotel California” do Eagles. Em seguida veio “Sweet Child O’Mine” do Guns N’Roses.

Em meu quarto, a pergunta que me veio à cabeça foi se a escolha das músicas era randômica ou se alguém escolhia pacientemente o set list. Num típico bairro de subúrbio, longe de qualquer badalação, essas músicas provocam um estado de melancolia miserável.

Ao olhar pela janela, tudo que eu podia visualizar era uma rua escura, ainda com a lâmpada do poste acesa. Naturalmente, essas lâmpadas foram feitas para não clarearem as coisas. E para não perderem o costume vindo lá dos anos 1980, havia um carro parado no meio da rua e um casal encostado nele trocando um beijo frenético.

Há aqueles jovens que decidem ficar no bairro nos fins de semana e o que mais se vê são aquelas garotas de saia curta ( para não dizer minissaia) e salto alto acompanhando rapazes com indefectíveis bonés que são parte de suas personalidades. Isso lhe parece familiar?

É o documentário da realidade desenrolando diante dos nossos olhos. Tudo tão continuado  e com cenas bastante previsíveis. E bem se sabe, as perifirias nasceram para nunca ter cinemas, teatros, ginásios ou qualquer tipo de entretenimento noturno.

Decerto, Paris é uma cidade em que há escritores saindo pelo ladrão. É difícil encontrar alguém que empolgue uma editora após Susane Sontag, Marguerite Duras, Marguerite Yourcenair, Racine, Sartre. As mídias móveis e imóveis têm alterado o “ofício” de redigir.

Por que, raios, Paris, entrou nessa narrativa?

Retornemos ao suburbano do abandono, ao trecho geográfico que sequer chama a atenção no Google Street View, ao lugar comum relegado a notas policiais de subjornais.

O casal continuava trocando um beijo incendiário, enquanto o carro os suportava sem poder fazer barulho.

Não sei quem disse que Deus não gostou do rumo que a Literatura tomou. Sinceramente, eu nunca imaginei que Ele bancasse o editor aborrecido e que houvesse gente tão bem informada sobre as opiniões Dele acerca da produção literária alhures.

Logo ali, um sujeito pilotando uma moto parou sorrateiramente e disparou quinze tiros na cabeça de um adolescente que soltava uma pipa, certa hora do dia, talvez por não ter algo mais formativo a fazer.

Começo a refletir sobre os livros escritos por Ferrez e por MV Bill. Seriam realidades distintas? De alguma forma Capão Redondo e Savassi se amalgamam. Ipanema e Vila Marimbondo são coirmãs. Apenas, mundos paralelos justapostos e compostos por cérebros que precisam de comer-cagar-mijar-amar e fazer outras coisas tidas por civilizadas ao longo do dia. Onde o susto nisso?

Assim, as línguas do casal continuavam inquietas. Cheias de prazer e buscando um gozo instantâneo no meio da rua.

Inesperadamente, o Jukebox dispara “Ai, se eu te pego” do Michel Teló. A vida continua entre um e outro fato.

sábado, 28 de julho de 2012

O caminho de volta



 No livro “As Grandes Profecias”, Franco Cuomo tem como propósito reunir num só tomo todas as profecias com respaldo religioso e até algumas perpretadas pelo exército de satanás. A tarefa foi cumprida em parte, posto que o livro não aborda a “cultura” profética de países como o Brasil (é possível que Xico Xavier seja um fenômeno recente demais para os estudos de Cuomo) ou o Japão, por exemplo.

Embora o autor deixe transparecer algum apreço pelos umbrais do Vaticano, seu “almanaque” pode ser lido por qualquer pessoa cuja religião não proiba a leitura de livros que abordam um assunto tão polêmico.

A abordagem de Cuomo  passa pelas aparições da Virgem de Fátima, os milagres do Padre Pio, as profecias altamente codificadas de Nostradamus, as vidências de Dom Bosco – sim, Dom Bosco era um vidente nato, característica que a Igreja vive suprimindo de suas biografias, da mesma forma que a Igreja censurou Padre Eustáquio por sua capacidade espetacular de promover curas em vida - , as artimanhas de Rasputin, que não viveu para assistir à sua última e comprovada previsão-maldição, a frustração de Alester Krowley, que não conteve sua inveja por... Adolf Hitler (figura difícil de apagar da memória do mundo  por tamanhas suas atrocidades). Krowley reivindicava para si a personificação do mal e do mau em amplitude, algo que o ditador alemão conseguiu com sucesso relativo (dado seu suicídio) por suas ações genocidas. Alester Krowley terminou seus dias na indigência, fato que o exército de satanás faz questão de omitir para não demonstrar fraqueza. Alguns pesquisadores que veem o mundo como uma grande conspiração, afirmam de pés juntos que grandes figuras do poder mundial fazem parte da Golden Dawn, sociedade demoníaca secreta da qual Krowley participou, mas não foi solidária com ele quando sua “casa” caiu. Nesses temas ocultos há sempre a hora da onça beber água. Não poderia faltar a versão clássica de apocaplises como a de João no último capítulo do Novo Testamento selecionado pela Igreja.

Muitos diretores de cinema devem ter se baseado nos cenários pintados por essas grandes profecias apocalípticas. Cada uma delas apresenta seus requintes de horror, o que  leva a crer que  há muitas versões de apocalipses. Cada revelação, seja bíblica ou não, traz seu detalhe alegórico. Fica claro que nesse campo da existência humana jamais haverá unanimidade de ponto de vista. Cada indivíduo pinta sua revelação conforme lhe é ditada (nunca é ditada a mesmíssima descrição), ou conforme sua noção de justiça e formação cultural. O oráculo sempre se adequa ao canal que utiliza. Num único ponto as profecias deísticas convergem : se a humanidade voltar-se para sua essência divina, observar os princípios da cristandade ( não se fala em fazer parte obrigatoriamente dessa ou daquela instituição religiosa) muitos projetos de destruição sumirão ao vento, mas se a humanidade abolir em sua maioria o sentido do sagrado em sua existência é bom todo mundo se preparar para ver a porca torcer o rabo sem metáforas. O acerto de contas entre Deus e o ex-Lucifer seria um fato mais localizado se as pessoas desenvolvessem a consciência do amor divino (quem ama seu próximo e tem consciência disso não assassina ou fabrica bombas com intensão de extermínio). Mas como a plateia é chegada numa arena, então é bastante provável que haverá espetáculo. Quando, não se sabe, mas a entrada será franca e ninguém perderá nem morto.

“As Grandes Profecias” não é um livro recomendado para pessoas com problemas psicoemocionais. Há livros mais amenos e divertidos. Pessoas com tendências suicidas também poderão ver seus problemas se agravarem ou ao contrário, descobrir um motivo para apreciarem o pouco tempo de vida que têm. Descobrir a beleza das flores, ir ver as ondas quebrando no mar (quando elas estão calmas), fazer o bem sem olhar a quem,  beijar e abraçar mais, ser mais esperançosas, etc. Franco Cuomo reuniu o que há de mais tenebroso à espera dos homens e das mulheres (há profecias para além do ano 3.000 do calendário romano e isso contraria muito quem deseja um fim mais rápido). De tal maneira, não importa a época  em que o indivíduo entre no planeta Terra. Sempre haverá uma profecia acerca de sua saída.

Naturalmente para os exegetas “As Grandes Profecias” não acrescenta nada ao que eles já conhecem até os manuscritos do Mar Morto. Para aquelas pessoas que não acreditam na existência nem de anjos  nem de demônios, esse livro pode ser uma ótima sugestão no gênero Fantasia.


domingo, 1 de julho de 2012

Helen Fisher estuda o cérebro amando

Então, antes que eu comece a falar sobre o cérebro, Eu quero ler para vocês o poema de amor que eu acho ser o mais poderoso na Terra. É claro que há muitos outros poemas tão bons como esse, mas acho que esse é insuperável. Foi contado por uma índia Kwakult do sudeste do Alaska a um missionário em 1896, aqui vai. Nunca tive a oportunidade de recitá-lo antes. "Fogo corre através de meu corpo com a dor de te amar, dor corre através de meu corpo com o fogo de meu amor por você. Dói como um furúnculo prestes a explodir com meu amor por você, consumido por fogo com meu amor por você, Eu lembro o que você disse para mim. Estou pensando sobre seu amor por mim, Sou mutilada por seu amor por mim. Dor e mais dor, Onde você vai com meu amor? Me disseram que você vai embora. Me disseram vai me deixar aqui. Meu corpo está anestesiado de pesares. Lembre o que eu disse, meu amor. Adeus, meu amor, adeus. Emily Dickson uma vez escreveu, "Separação é tudo que precisamos conhecer do inferno." Quantas pessoa já sofreram em todos os milhões de anos de evolução humana? Quantas pessoas em volta do mundo estão dançando euforicamente nesse instante? Amor romântico é uma das sensações mais poderosas na Terra.
Então, alguns anos atrás, eu decidi estudar o cérebro e estudar sua loucura. Nosso primeiro estudo sobre pessoas que amavam felizes foi muito divulgado, por isso vou falar muito pouco sobre isso. Encontramos atividade em uma pequena área perto da base do cérebro chamada de área tegmental ventral. Encontramos atividade em algumas células chamadas de ApEn. Células que na verdade produzem dopamina, um estimulante natural,e espalha dopamina para muitas regiões do cérebro. esta parte, a ATV, é parte do sistema de recompensa do cérebro. Está bem abaixo de nosso processo cognitivo de pensamento.Está abaixo de nossas emoções. É a parte que chamamos de centro reptiliano do cérebro,associada com querer, motivação, Com foco e com desejo. De fato, a mesma região do cérebro onde encontramos atividade também torna-se ativa quando sente o barato da cocaína.
Então, agora mesmo, Lucy Brown e eu, o neurocientista em nosso projeto estamos analizando os dados das pessoas que foram colocadas na máquina depois de terem tomado um fora. Na verdade foi difícil, por essas pessoas na máquina, porque elas estavam pessímas. (risos) De qualquer forma, encontramos atividade em três regiões do cérebro.Encontramos atividade na região do cérebro, exatamente na mesma região do cérebroassociada com amor romântico intenso. Péssimo negócio. Você sabe, quando você leva um fora, a coisa que tem de fazer é simplesmente esquecer sobre esse ser humano, e continuar com sua vida, mas não, você simplesmente o ama ainda mais. Como o poeta romano Terence disse uma vez, "Quanto menor minha esperança, mais quente o meu amor." E de fato, agora sabemos por que. 2.000 anos mais tarde, podemos explicar isso no cérebro. Aquele sistema no cérebro, o sistema de recompensas por querer, por motivação, por desejo, por foco, torna-se mais ativo quando você não pode ter o que quer. Neste caso, o grande prêmio da vida: um parceiro reprodutor adequado.
Então, o que aprendi desse experimento que eu gostaria de contar ao mundo?Primeiramente, eu cheguei a conclusão que amor rômantico é o impulso, a chave da procriação. Não o impulso do sexo, o desejo do sexo te leva a busca por uma gama diferente de parceiros. Amor rômantico te possibilita focar sua energia procriadora em somente um por vez, conserva sua energia procriadora. e inicia o processo de procriação com um único indivíduo. Acho que de toda a poesia que li sobre amor rômantico, a que resume melhor isso foi algo dito por Platão há mais de 2.000 anos atrás. Ele disse, "O Deus do amor vive em estado de carência. É uma necessidade. É uma urgência. É um desequilíbrio homeostático. Como fome e sede, é quase impossível eliminar." Também cheguei a conclusão que amor romântico é um vício: um vício perfeitamente maravilhoso quando está indo bem, e um vício horrível quando está indo mal.
E é claro, tem todas as características de um vício. Você foca somente na pessoa, você pensa obsessivamente nela Você a deseja, você distorce a realidade, O seu desejo em se arriscar enormemente para conquistar essa pessoa. E tem as mesmas características de um vício. Tolerância -- você precisa vê-las cada vez mais, e mais e mais -- abstinência, e por último, recaída. Tenho uma amiga que estava superando um terrível caso amoroso, Já tinha passado oito meses, e ela estava bem. E ela estava dirigindo outro dia, quando de repente ela ouviu uma canção no rádio que a fez lembrar desse homem. E ela -- além do desejo por ele voltar instantâneamente, teve de encostar o carro e começou a chorar parada na estrada. Então, eu queria um coisa da comunidade médica, e da comunidade dos advogados, e até mesmo dos universitários, para ver se eles podem entender, que na verdade, amor romântico é uma das substâncias mais viciosas da Terra.
Gostaria também de dizer ao mundo que animais amam. Não há um animal nesse planetaque irá copular com qualquer coisa que aparecer Velho demais, jovem demais, muito enrrugado, muito burro, eles não copulam. A menos que se estiverem presos em uma jaula de laboratório. e você sabe, se passar toda sua vida em uma caixinha, não será tão exigente com quem terá sexo -- mas procurei em uma centena de espécies. e em todo lugar na natureza, animais têm favoritos. Diga-se de passagem antropologistas sabem disso. Há mais de oito palavras para o que eles chamam de favoritismo animal:perceptividade seletiva, escolha do parceiro, escolha da fêmea, escolha sexual. E claro, há três artigos acadêmicos nos quais eles pesquisaram essa atração, que pode durar somente um segundo, mas sem dúvida é uma atração, e ou a mesma região do cérebro, o sistema de recompensa, está envolvida ou as químicas do sistema de recompensa. De fato, eu acho que a atração animal pode ser instantânea -- você pode ver um elefante se atrair instantaneamente por outra elefanta. E acho que isso é realmente a origem do que chamamos de "amor a primeira vista."
As pessoas sempre me perguntam se o que eu sei sobre amor me atrapalha a amar. E eu só falo, que nada. Você pode conhecer cada ingrediente em um pedaço de bolo de chocolate, e quando se senta e come aquele bolo, você ainda vai adorar. E certamente também faço os mesmos erros que todos fazem, mas isso aprofundou realmente meu entendimento e compaixão, mesmo, pela vida humana. diga-se de passagem, em Nova York eu me pego sempre olhando para carrinhos de bebês e sentindo pena deles, e de fato algumas vezes eu sinto um pouco de pena pelo frango em meu prato, quando penso o quão intenso é esse sistema cerebral. Nosso mais novo experimento saiu do ovo através de meu colega Art Aron, colocar na ressonância magnética pessoas que afirmam ainda estarem amando em um relacionamento longo. Já colocamos cinco pessoas até agora, e é claro, encontramos exatamente a mesma coisa. Eles não estão mentindo. As áreas do cérebroassociadas com o amor romântico intenso ainda está ativo, 25 anos depois.
Ainda há muitas perguntas a serem respondidas e perguntadas sobre amor romântico. A pergunta que estou trabalhando nesse minuto, e eu só vou falar por um segundo e depois terminar, é por que você ama uma pessoas, e não outra? Eu nunca teria nem pensado em pensar nisso, mas Match.com, o site de encontros, veio 3 anos atrás e me fez essa pergunta. E eu disse, não sei. Eu sei o que acontece no cérebro quando você ama, mas não sei porque você ama uma pessoa e não a outra. E então, passei os últimos 3 anos nisso. E há muitas razões para você amar uma pessoa mais que outra, isso os psicólogos podem te dizer. E tendemos a amar alguém do mesmo nível sócio-econômico, o mesmo nível de inteligência, o mesmo nível de aparência, os mesmos valores religiosos. A infância tem um grande papel, mas ninguém sabe como. E isso é tudo, é tudo que eles sabem.Não, eles nunca descobriram como que duas personalidades se encaixam para fazer um bom relacionamento.
Então, me ocorreu que talvez nossa biologia nos puxasse para uma pessoa ao invés de outra. E fiz um questionário para ver em que grau você apresenta dopamina, serotonina, estrogênio e testosterona. Acho que desenvolvemos quatro tipos amplos de personalidadesassociadas com a mistura dessas quatro químicas no cérebro. E nesse site de namoro que criei, chamado Chemestry.com. Primeiro faço uma série de perguntas para ver qual o nível dessa quimíca você apresenta, e estou observando quem escolhe quem para amar. E 3,7 milhões de pessoas fizeram esse teste na América. por volta de 600 mil pessoas fizeram em outros 33 países. Estou organiznado os dados agora, em algum ponto -- sempre haverá mágica no amor, mas acho que chegarei mais perto de entender porque será que quando você entra em uma sala e todos têm o mesmo nível seu, o seu mesmo nível de inteligência,o seu mesmo nível de aparência, e você não se sente atraído por todas elas. Acho que existe biologia nisso. Acho que em alguns anos chegaremos a compreender muitos tipos de mecanismos que o cérebro usa para nos aproximar de umas pessoas e afastar de outras.
Então, irei encerrar assim. Essas são minhas pessoas mais velhas. Faulkner disse uma vez, "O passado não está morto, não está nem no passado." É claro, nós carregamos muita bagagem de nossos anos passado em nosso cérebro humano. E há uma coisa que me faz perseguir minha compreensão da natureza humana, e isso me faz lembrar isso.Essas são duas mulheres. Mulheres ficam íntimas de uma forma diferente dos homens.Mulheres ficam íntimas conversando cara-a-cara. Nós nos conectamos uma com a outra,fazemos o que chamamos de "olhar âncora" e conversamos. Isso é intimidade para mulheres. Acho que evoluiu de milhões de anos segurando bebês na frente de nossos rostos, adulando, repremindo, educando-os com palavras. Homens ficam íntimos lado a lado. ( risos) Assim que um cara encara o outro vira o rosto. ( risos) Acho que é resultado de milhões de anos de se esconder atrás de um arbusto, e ficar olhando para frente, e tentar acertar uma pedra na cabeça de um búfalo. (risos) Acho que por milhões de anos os homens encararam seus inimigos, eles sentavam lado a lado com amigos. Então minha palavra final é: o amor está em nós. Está profundamente arraigado em nossos cérebros.Nosso desafio é entender um ao outro. Muito obrigada. ( aplausos)