sexta-feira, 16 de outubro de 2009

5 anos de Poemaremos sem fim (ensaio)


Sobre Poemaremos sem fim (2005, publicado em 2008)

do poeta Lecy Pereira Sousa

 

Cinco anos poemando Poemaremos sem fim

 

Cada época tem seu referencial e seu discurso, isso aprendemos

em sadias leituras de Marx e Foucault, onde cada grupo social

enreda e divulga um tipo de cultura, de retórica, de imaginário,

que pode ser transmitido como testemunho de um  modo de vida

ou lição de moral.

 

Assim, temos o século 18 com suas sátiras, o século 19 com a

moral burguesa, ou as fantasias românticas, e o século 20 com

a implosão da Poética, em versos descontrolados e velozes,

de muitas faces e perspectivas, vangloriando-se do progresso,

ou atacando a modernidade. Tivemos Fernando Pessoa (ou

Álvaro de Campos) com suas odes ao estilo Walt Whitman (ver

"Ode Triunfal" ou "Ode Marítima"), tivemos os beatniks com suas

odes neuróticas e apocalípticas (vide "Uivo", de A. Ginsberg, ou

"Manifesto Populista", de Ferlinghetti ) só para ficarmos nos poetas

reconhecidos e declamados.

 

 

Alguns links: http://www.revista.agulha.nom.br/facam02.html

http://www.revista.agulha.nom.br/facam04.html

 

 http://www.almanaara.hpg.ig.com.br/ed2/pant2.htm

 

 http://leoleituraescrita.blogspot.com/2009/08/lawrence-ferlinghetti-manifesto.html

 

São as vozes de uma época (assim como foram "A Náusea", romance

de Sartre, e as novelas "Lobo da Estepe" (Hesse) e "On the Road"

(Pé na Estrada)(Kerouac), a movimentarem toda uma geração de

leitores e novos escritores, traficando influências e transpassando

a leitura para virar modo (estilo) de vida. Assim uma voz autoral

atingindo um status de voz coletiva, a dizer algo que pulula em

miríades de 'corações e mentes' numa coletividade de uma época.

 

Vamos abordar aqui uma dessas vozes, que falam do Eu mas a

Falar do Nós. Um texto, mas especificamente um poema (ou quase

'poema em discurso') que vai completar cinco anos de existência em

papel e tinta: Poemaremos sem fim.

 

Poemaremos sem fim, para quem ainda não teve contato com o

fenômeno, é um poema extenso, excessivo, transbordante, egocêntrico

e multiculturalista (ao mesmo tempo!), de autoria do poeta e

performancer Lecy Pereira Sousa, que tem em seu currículo dezenas

de eventos, além de ser sócio fundador da Academia Contagense de

Letras (ACL), sendo também eficiente Presidente.

 

A primeira vez na qual eu li 'Poemaremos sem fim' foi por e-mail

(recebido em janeiro de 2005), quando ainda não havia sequer projeto

de publicação (o livro PRIMEIRA PESSOA PLURAL foi publicado em 

setembro de 2008) e toda a atividade autoral de Lecy era então

despejada (literalmente) na rede mundial de computadores, ou,

popularmente, Internet. Miríades de blogs abrigavam (e ainda abrigam)

centenas de versos, crônicas, contos, e centelhas de comentários,

ensaios ou considerações/desabafos extra-literários.

 

Podemos até ler o poema ali no papel, mas declamar o mesmo, ou

ouvir a declamação feita pelo poeta (o autor, se possível..) é uma

experiência que faz o poema emergir da folha e re-vivenciar toda a

emoção que gerou a Escrita. Assim a cada leitura de Poemaremos

ou ao ouvir o Autor declamar vamos percebendo o vigor, e as sutilezas,

do texto. Poemaremos é um poema assim: sempre re-presentificado,

sempre novo. Nunca esgotado em suas imagens e referências (que,

aliás, são muitas, múltiplas!)

 

Lecy lendo Poemaremos no Youtube (no Ninho das Pedras)

http://www.youtube.com/watch?v=a-U7zwzcBIY&hl=pt-BR

 

Poemaremos é daqueles poemas que pedem uma boa paródia (assim

logo escrevi uma, tanto como parodiei Ode Triunfal ou Uivo...) devido

a conversa franca com o leitor, jogando como um cúmplice no meio do

Enredo todo, a voz lírica sempre dizendo de si-mesma, sim, mas também

de nós-mesmos (capturados para dentro do universo poético, como se

um tele-espectador sugado para dentro do programa de auditório na TV)

 

Podemos dizer que Poemaremos é, de algum modo, o nosso Uivo, o

nosso On the Road em prosa, o nosso Manifesto Populista, clamando

aos poetas que poemar (neologismo criado pela mente inquieta do

Autor) é uma tarefa árdua e constante, não é hobby para final-de-

semana e feriados, é vivência concreta e esotérica (no bom sentido...)

 

De maneira concreta

Calcados na argamassa

Sabidos a diamantes

Fundidos em nobre aço

Escudados por titânio

Poemaremos poemaremos poemaremos

Poemaremos por falta de opção

Rijos tensos intumescidos

Retesadamente lascivos

Ao cair da noite & ao levantar do sol

Duros de coração

Monossilábicos átonos atônitos

 

Poemaremos por teimosia, "por falta de opção", porque não vivemos

no mundo que desejamos (se até da República de Platão, nós fomos

expulsos..), porque somos inquietos, em desassossegos, e vivendo o

'mal-estar na civilização' (assim diz Freud, e assim concorda Marcuse),

quando cada desejo satisfeito gera outro desejo, ainda mais urgente, e

quando cada problema resolvido ai gerar mais problemas, num círculo

vicioso que angustia. O que resta? Se possível, mudar tudo, revolucionar!

SE não, vamos ficar no 'nosso galho' rabiscando uns versos, e formar

uma corrente de leitores, que algum dia (ah, nossas esperanças!)

poderão fazer a revolução em nosso lugar...

 

Coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota /e adiar para

outro século a felicidade coletiva. Escreveu Drummond, em sua

"Elegia 1938", quando reconhecia seu egocentrismo em luta contra seu

coletivismo, a esperar que ao menos , no futuro, um bem-estar coletivo

seja alcançado. Então, agora o poeta limita-se a poemar sem outra

opção (mercadológica? ideológica? circunstancial?), esperando antes

de tudo comunicar (isto é, desabafar) suas verdades e suas ilusões.

 

 

Acordados sonolentos noutra parte da História

Carregando a pecha de moderninhos

Poemaremos babando ovo de algum poeta dos Oitocentos

 

E

 

Lendo os Psalmos os Lvsíadas os Contos do Decamerão

Ao vasculharmos o Livro dos Mortos e a bíblia do Cinema

Quando Júpiter estiver em Marte e a lua em Plutão

Trajando camisinhas perfumadas e cuecas samba canção

Dissolvendo poetas que desejam ser lembrados

Daqui há mil anos em meio copo d´água

Envelhecidos em tonéis de carvalho

 

 

Tentando digerir toda uma Tradição (que os Futuristas – e os nazistas –

preferiam queimar, do que dedicadamente ler e reler) para tentar

compreender a babilônia moderna, concreta e virtual, o mundo em formas

e bytes, a realidade mutante e coisificante, onde somos números e somos

consumidores, onde vendemos nosso tempo e nossa mão-de-obra,

onde ligamos a TV e somos bombardeados por mil mentiras por minuto.

E ninguém quer saber se acreditamos ou não – querem a nossa audiência

e o nosso voto, querem índices no Ibope e cargos públicos, querem nossa

ignorância cotidiana para manter o circo social.

 

O que Lecy Pereira faz aqui no Poemaremos é desabafar em ironias, em

escárnio, um escarro mesmo, sobre a palhaçada que este mundo virou !

Nada é levado à sério – a começar por nossos pais e educadores, amigos

e parceiros de afeto – a continuar no teatro dos Parlamentos e Gabinetes,

onde a Política vira motivo de deboche e perde o P maiúsculo. Assim,

somos despolitizados e viramos mera audiência enquanto decidem –

dizem que em nosso nome - os nossos cotidianos e os nossos destinos.

Para nós, só resta mesmo poemar e nada mais.

 

Out/09

 

Leonardo de Magalhaens

http://leoleituraescrita.blogspot.com

 

 

Links para o Poemaremos

 

Parte 1

http://www.tanto.com.br/lecypereira-poemaremos.htm

 

Parte 2

http://www.gostodeler.com.br/materia/2003/poemaremos_sem_fim_parte_ii.html

 

paródia de Poemaremos

http://diovmendonca.blogspot.com/2008/09/1-viva-poesia-poesia-viva-280908.html

 

  


 



--
O site gratuito da Academia Contagense de Letras - ACL:
www.academiacontagensedeletras.webs.com  

OPA! O futuro está nas artes:
www.opart.org.br  

Este autor no Twitter:
http://twitter.com/lecypereira
Postar um comentário