domingo, 16 de novembro de 2008

Calidoscópio de Imagens Multiplicadas - poema de Luís Eustáquio Soares





LUÍS EUSTÁQUIO SOARES
 

"depois - como terá falado conforme o absoluto - que nega

a imortalidade, o absoluto existirá fora - lua, acima do tempo:

e ele erguerá as cortinas em frente. Igitur, ainda criança,

lê seu dever a seus ancestrais." (Mallarmé, Igitur ou a

Loucura de Elbehnon

)
 
 
CALIDOSCÓPIO DE IMAGENS MULTIPLICADAS
 
narciso morto em morte de caneta tinteiro no branco espaldar das espadas arquejantes dos dígitos gráficos ortográficos heterografam digitais imagens acústicas nos reflexos refletidos das duplicatas duplicações reflexas em flechas sobre um vertical fundo impossível de possibilidades de rios correntes em garças espelhadas em especulares tautologias sobre o fedro socrático em face a face a escrita não mata o pai, nem mesmo o padrasto ou ao menos a madrasta mas regurgita as imagens aladas de letras onduladas onde geografias cartografadas em safadas fadas de reflexibilidades miram a si nas fotos fotons de elétrons que giram em torno gravitando gravidez de signos em virtuais virtus não virgens impressos pelos dedos obscuros das posses de palavras de posse das alfabetizadas maneiras de cartear sinais de códigos herméticos nas inclusões dos espelhos as mesmas imagens não velam o outro, outono do fora ou do dentro ou do desfora em desforra de textos sem anafóricos, potens de verão nos suportes fragmentados de espelhos quebrados de retratos retro-avançados no dentro de sóis assassinando Narciso em seu ciso isso de isso: só: alardeiam letras fonemas de fonadas impossibilidades incompassíveis com o caleidoscópio de imagens multiplicadas em coloridas semelhanças de gramas pesadas das gramáticas narcísicas de narcotrópicos de tropos dos que imprimem grampos nos cabelos amarelos das brancas páginas assépticas dos céticos credenciados para os créditos das letras de sobrenomes de famílias aristográficas, mas a cidade tem idades para aquém/além de si, idades dos seres de víveres vísceres viveres, edipando andando sem inchados - flanando - pés, que ainda desutopicamente comerão - eles elas sem celas, anagramas de riscos - sem ricos - a mãe, e matarão/ressuscitarão narciso: macarrões de alegrias, letras garatujas: intrusas, com, também, corujas, coitadinhas.
 
In: COR VADIA /2002
 



Postar um comentário