quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Olhares (conto)


From: Leonardo de Magalhaens <leonardo_de_magalhaens@yahoo.com.br>
Date: 07/10/2008 18:33
Subject: Olhares (conto)

um conto de outrora...

 

OLHARES

 

  Estranho é andar pelas ruas, numa manhã isenta de sol, furando as ondas do tráfego, e sentir, queimando, os olhares acusadores dos passantes. Suas faces transformadas, tal em convulsões, de bílis vertida nas estranhas, e um rasgo de deboche nos lábios, um não-pode-você-fazer-que-vai-nos incomodar toda vez que insistimos em seguir junto as vitrines, e ao fim, nos desviamos, antes de derrubarmos, por terra e cimento,  a senhora com suas inevitáveis duas sacolas prenhes de mercadorias, e ela ainda insatisfeita.

 

    É assim: todos me acusam. Estou sujo, um traço de dentifrício marca em cicatriz o subúrbio de meus lábios, ou meu cabelo se enroscou serpentino ao vento de fuligens.

 

    É assim: de súbito, um olhar me enternece. Uma garota de meu interesse, que penso já ter visto antes, talvez num dos agitares do mercado, alguém enfim que percebo admirar.

 

    Aproximei-me, puxei assunto. Ela, meio assim desconfiada, mas ainda certa atenção. Percebo meus passos, enquanto sigo ao lado daquela de olhos tão abraçantes. Aí ela entra na igreja.

 

    Olhei o altar, ali uns poucos fiéis, e aquele cheiro de incenso me nauseava. Ela se encaminhou aos últimos bancos, deixando meia igreja de bancos vazios entre ela e os devotos. As devotas.

 

    O que fiz? Sentei-me o lado dela, meio deslocado. Levantei-me e, assim inclinando, cochichei ao seu ouvido: "Querida, você não quer que conversemos na igreja, quer?" ela se levantando, assim meio contrariada, mas sem outras hostilidades, olhando assim com aquela timidez, mas parecia querer se entregar - ali contida ainda por alguma desconfiança. Algum meditar a retinha.

 

    Penso, logo desisto. (Citação, meu velho.)

 

    Ela foi seguindo à  minha frente. De súbito, parou.

 

    É que ela, voltando-se para mim, verteu olhares perplexos. (enfrentei muitos olhares, mas aquele era.) Possuída pelo olhar, ela exclamou irada: "Bem que minha mãe me alertou!" Deu-me as costas, seguindo para a porta. Tentei sair no seu encalço, fui barrado por uma voz autoritária: - "Parado aí, amigo."

 

   Amigo? Dois policiais ali estão. Braços cruzados à altura do peito, na representação correta de autoridades, donas de meu ir-e-vir. Mas eis a porta e vou abri-la assim mesmo. O ar da igreja me sufoca. Abri mesmo. Alguém ainda diz, à milhas: -"Eles vieram é pra te prender."

 

    Como já disse, abro a porta. Na calçada os vultos, quase humanos, de mais dois policiais. Fardas furando na retina a profunda calma. É um suor o que me afoga a nuca, e singra meandros do pescoço? Blá, blá, blá. Na viatura, do outro lado da rua, mais dois. De repente parece que já esperava por tudo aquilo. Um batalhão para me prender!

 

   É uma manhã isenta de sol ( acho que já disse isso...) e digo,aborrecido: "Tão cedo!"

 

    Garras metálicas a beliscarem-me o retesar dos pulsos.

 

    Vejo, à distância, a moça se esvaindo nas brumas do asfalto quente.

 

 

 

   Fev2004

 

 

  Leonardo de Magalhaens

 

 


Postar um comentário