quarta-feira, 24 de setembro de 2008

VIVA POESIA, POESIA VIVA - 28 DE SETEMBRO - LOGO



Os descaminhos da melancolia VIII





Os descaminhos da melancolia VIII

mia_couto_ago_06_1.jpgO escritor moçambicano Mia Couto, para mim uma das vozes mais ecoantes do atual contexto literário da língua portuguesa costuma dizer que o tempo é um rio.
Figura de linguagem, ou não, seguimos arrastados por esse leito que cisma de correr para o mar.
Então, dezesseis de agosto pela manhã e eu fui ao encontro do romancista Leonardo de Magalhaens. O local era o parque ecológico palco de outros momentos em que tratávamos de assuntos literários para variar.
De ali fomos ao almoço rápido. Eu pedi um mexidão e ele um tropeiro acompanhado de suco de latinha. Quem está a ler há de se questionar em que essa descrição de cardápio pode tornar esse texto mais interessante e diferente de um diário juvenil e perfeitamente descartável.
Bem, não sei. Sei que falamos de poemas, egos literários, personalidades infantilizadas (dessas que nós, escribas ou não, costumamos padecer), ausência de profissionalismo quando ele se faz necessário no meio cultural, gente que combina um evento que envolve mobilização de pessoas e desmarca encima da hora revelando absoluta falta de responsabilidade e compromisso, eu que combinei um horário e cheguei noutro revelando como sou brasileiro e pouco britânico, capitalismo, socialismo, Gandhi (até Gandhi apareceu nesse papo), Sartre, Segunda Guerra Mundial, sites, lan-houses, etç.etc. e nós que ficamos acreditando que um outro mundo é possível apesar da pilantragem humana que atravessa os séculos e permanece inabalável. Gerações nascem e viram pó e os poetas continuam crendo num mundo melhor, um mundo que se recusa a ser esse, um outro mundo em que as pessoas aprenderão de vez lições básicas de diplomacia e gerenciarão seus conflitos emocionais ofertando um abraço sem furtar ou assassinar seu próximo. Claro que tudo isso parece religioso demais e, penso que eu e Leonardo não somos exemplos bem moldados de reverendos dispostos a criarem mais uma religião para entrar em conflito com as outras (o que as religiões mais sabem fazer ao longo dos séculos, com requintes de sabedoria, é se odiarem e matarem em nome de Deus). Se eu e Leonardo seguíssemos à risca os preceitos xenófobos é fóbicos, QUE JAMAIS MUDAM AINDA QUE MUDEM OS SÉCULOS, nos bateríamos até a morte, posto que pensamos de forma diferente em diversos aspectos. Ocorre que preferimos a empatia.
Enfim, fomos abordados por uma criança vendendo adesivos em mesas de restaurante ao ar livre que pediu que a gente pagasse um prato feito para ele. Vale lembrar que em alguns outros países da América Latina as crianças não precisam se humilhar a tal ponto. Mas, raios, esse texto não é um panfleto da nova Internacional Socialista. Vivemos no país das constatações, de tribos que acham que têm a solução convencional para todos os problemas ao mesmo tempo, menos para a falta de vontade de aceitar o outro com suas idéias e seu modo de sonhar o mundo.menino.jpg
Enfim, soltamos o verbo e Leo falou da possibilidade de a gente se apresentar no Projeto Terças Poéticas de Belo Horizonte curado pelo poeta Joaquim Palmeira. A gente que eu cito é Rodrigo Starling, Leonardo Magalhaens e essa figura que vos escreve até as alturas dessas vinte e duas horas e quarenta e um minutos de uma Segunda-feira. Assim, de alguma forma, arquitetamos o dia Dezesseis de setembro de Dois Mil e Oito. Acrescentando que os poetas Joaquim Palmeira e Diovvani Mendonça cismaram que eu devia lançar o livro de poemas "Primeirapessoaplural" nessa data.
Terminamos o almoço e Leo disse que precisava dar uma aula particular de Inglês, algo fácil para alguém que fala alemão e avança no russo. Ainda brincamos sobre a natureza estática de Contagem. Lembrei-me da música Where The Streets Have no Name do U2. Era como se estivéssemos naquele deserto onde as ruas não têm nome. Lá vinha o ônibus. Leo se foi nele. Eu fui pegar outro que me levaria ao meu destino.
Somos um rio que segue seu leito por uma terra sonâmbula, penso aos solavancos do ônibus coletivo.

Lecy Pereira Sousa




quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Domingo no Parque!



Cartaz oficial do evento promovido pelo Projeto Pão e Poesia ,  Árvore dos Poemas,Biblioteca Pública de Contagem e patrocinadores!
 

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

RSVP


sábado, 13 de setembro de 2008

Primeirapessoaplural em nota da Imprensa contagense

Livro sutil e divertido sobre o trabalho coletivo

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Show de Pablo Castro no Stereoteca desta quarta







Pablo Castro já se destacou no projeto A Outra Cidade, ao lado de Makely Ka e Kristoff Silva, e chega agora ao seu primeiro disco solo, Anterior, que apresenta no Stereoteca em 10 de setembro



Antes do show o Stereoteca conta com a presença do poeta Joaquim Palmeira, parte da parceria com o projeto Pão e Poesia.



A Árvore dos Poemas convida!




---------- Forwarded message ----------
From: Lecy Pereira Sousa <lecysousa@gmail.com>
Date: 2008/9/8
Subject: A Árvore dos Poemas convida
To: Academia de Letras de Pará de Minas <livros@parademinas.com.br>


"A certeza de tudo que deveria ser feito antes só chega depois". - Lecy Pereira Sousa.


sexta-feira, 5 de setembro de 2008

BANQUETE DE IDEIAS - o 11 de SETEMBRO - 11/09 - 19h30




OFICINA DE PRODUÇÃO ARTÍSTICA - OPA!
 
Convida
 
BANQUETE DE IDÉIAS - o 11 de setembro
 
Imperialismo ianque: colhendo o que plantou?
 
11 set - 19h30
 
Sede Social - R. Padre Eustáquio, 1948
Padre Eustáquio - BH
 
Entrada Franca
 
Mais info: Leonardo (87549581)
                  Rodrigo (98059905)
 
O alibi terrorista e a nova ordem da revolução mundial
 
(p2)
 
A guerra de rapina e a falácia da luta contra o terrorismo
 
Em maio desde ano, a imprensa ianque divulgou que George Bush sabia, com antecedência, dos ataques ao World Trade Center, em Nova Iorque, e que em 9 de setembro de 2001 já tinha pronto o plano de ataque militar ao Afeganistão. Consumado o engendro, tão característico do modus operandi da CIA, George Bush desencadeou o plano dos ianques e precisou a definição binária da Nova Ordem Imperialista: "Ou está com Estados Unidos ou está com o terrorismo". Em seguida despachou forças-tarefas, porta-aviões, caças, bombardeiros, tropas de milhares de soldados, contingentes de oficiais, marines e comandos de forças especiais para a região da Ásia Central, Oceano Índico e outras partes do mundo.

Com esse tom, os imperialistas ianques definiram o "terrorismo" como o grande inimigo da Humanidade, obrigaram os demais países imperialistas e governos lacaios de todo o mundo a marcharem com ele e declararam, contra o "terrorismo", uma guerra sem quartel, sem fronteiras e por tempo indeterminado.

No momento em que se agravam todas as contradições no mundo, resultado da crise geral do sistema capitalista monopolista mundial, a existência dos imperialistas ianques como força hegemônica é, portanto, a maior responsável pelo acirramento das contradições com o resto dos países do globo, a que mais arma maquinações e provocações. Desta vez concentram tudo contra o "terrorismo" para justificar suas agressões aos demais países e a estupenda contra-propaganda para encobrir o agravamento das suas contradições em cada país do planeta. Todos os meios de comunicação encontram-se fortemente concentrados em suas mãos, utilizados para justificar, de mil maneiras, que o "terrorismo" é o mal dos tempos, é o grande perigo que ronda a Humanidade, que assola a economia mundial, a liberdade e a democracia.


Assim, a grande peste não é a exploração e a opressão com que os imperialistas e os reacionários de cada país submetem a esmagadora maioria da população da Terra, as guerras de rapina movidas pelos imperialistas contra os países e povos oprimidos, as guerras de partilha do mundo, a imposição de um sistema anacrônico que degrada e esmaga milhões e milhões de seres humanos, mas o "terrorismo". Tudo isto é apresentado como pretexto para oprimir ainda mais o próprio povo norte-americano, aprofundando a fascistização do Estado, como nunca, e expandir seus domínios com o estabelecimento de novas bases militares nas regiões onde ainda não exerce total controle.
 
Fonte:
http://www.anovademocracia.com.br/index.php/O-alibi-terrorista-e-a-nova-onda-da-revolucao-mundial.html